DÁ INSTRUÇÃO AO SÁBIO, E ELE SE FARÁ MAIS SÁBIO AINDA; ENSINA AO JUSTO, E ELE CRESCERÁ EM PRUDÊNCIA. NÃO REPREENDAS O ESCARNECEDOR, PARA QUE TE NÃO ABORREÇA; REPREENDE O SÁBIO, E ELE TE AMARÁ. (Pv 9.8,9)

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Davi e sua Vocação


Introdução

O nome Davi, do hebraico dāwid (דּוד), literalmente, “amado”, está associado à adoração, ao louvor, ao culto, ao canto, à poesia, à liturgia e à oração. No livro de Neemias (12.36) há duas peculiaridades a respeito de nosso personagem que desejo usar como eixo norteador de nossa análise.

A primeira é o fato de o hagiógrafo associar o nome do rei aos instrumentos musicais, “instrumentos músicos de Davi” – expressão que no contexto remoto refere-se tanto aos instrumentos criados por Davi para adorar a Javé (1 Cr 23.5; 2 Cr 29.26) quanto ao mandado e os salmos de Davi referentes à adoração (2 Cr 29.25-30).

A segunda descreve o rei como dāwid ’îsh hā ’Ĕlōîm (דּויד אישׁ האלהים), “Davi, homem de Deus”, expressão que no profetismo israelita identifica o sujeito como profeta, enviado especial de Deus ou alguém que está na presença do Senhor (Dt 33.1; Jz 13.6; 1 Sm 12.27; 2 Rs 1.10ss.). Estas duas características de Davi, músico e homem de Deus, resumem adequadamente o biografado, bem como a singular vocação do jovem Davi.

Uma graciosa lição que aprendemos do texto de Neemias e da vida de Davi é que a vocação divina para o ministério cristão, às vezes, envolve mais de uma ocupação, algumas associadas à principal. Davi foi ungido rei, no entanto, a unção real deu-lhe muitas outras competências e habilidades para a poesia, música, engenharia, guerra, etc., tornando-o um líder completo.

As relações sociais de Davi

Davi não era o primogênito, mas o caçula, o oitavo filho de Jessé. Se tomarmos como base que o rei Davi ascendeu ao trono de Judá em 1011 a.C., com cerca de trinta anos (2 Sm 5.4), e, que provavelmente nascera em 1041 a. C., pouco tempo depois de Saul sagrar-se rei, concluímos que Davi não possuía mais de 13 anos quando foi consagrado rei de Israel. Logo, a vocação ministerial não se limita à condição social e à idade do escolhido. É o Senhor quem escolhe. Ele é soberano em suas escolhas!

Todavia, a menoridade de Davi ante seus irmãos colocava-o como o último na hierarquia familiar e tribal (1 Sm 16.5,11-13). O termo “menor” (ARC), ou o “mais moço” (RA), do hebraico qātōn (קטן), significa “ser pequeno”, mas também “ser insignificante”, ou “ser jovem insignificante”.

Essa condição independia do jovem Davi. Ele era o menor dentre seus irmãos, não apenas na hierarquia familiar, mas também nos direitos sociais e tribais que pertenciam primeiramente ao primogênito. O fato de o Senhor escolher a Davi dentre os seus irmãos, significa que Deus, embora respeite, pouco se preocupa com as condições sociais do escolhido. É o Senhor quem habilita e capacitada o eleito independente da classe social do sujeito. Deus não vê como o homem!

O Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamente afirma que a raiz qtin “denota pequenez de quantidade ou qualidade”. Davi era o mais moço (1 Sm 17.14, 33) e, segundo a tradição do núcleo familiar (bayît ’āb), seus irmãos tinham a proeminência (veja 1 Sm 17.28, 29). Esta é a principal razão pela qual eles são chamados ao sacrifício e à mesa enquanto Davi permanece no pastorício (v.11; 17.15). Deus, porém, honrou a Davi diante de seu pai e de todos os seus irmãos (vv.12,13; 17.12,13). Se você é um servo ou serva de Deus, chamado ou escolhido pelo Senhor, saiba que suas condições sociais não são entraves para a realização da obra de Deus.

Na magnífica história contada por Max Lucado, Hermie é uma lagarta comum que sempre está a se queixar de sua vulgaridade: não era colorido como as borboletas, não era forte como uma formiga, não possuía uma casa como um caracol, não era belo como uma joaninha. Hermie era tão comum que até mesmo entre os da sua espécie ele era o mais sem graça. Algumas lagartas tinham pintas, mas Hermie não; algumas lagartas possuíam listras, mas Hermie não. Diuturnamente Hermie reclamava em suas orações dizendo: “Deus, por que o Senhor me fez tão comum?” Um dia Deus respondeu as orações de Hermie dizendo: “Não se preocupe Hermie. Eu amo você. E eu ainda não terminei o trabalho em você!”

Assim como Hermie, muitos vocacionados acham-se uma pessoa comum, no entanto, Deus ainda não concluiu a obra na vida do escolhido. Da chamada de Davi até sua ascensão, o jovem passou por muitas vicissitudes. Do poço até o trono do Egito, José sofreu muitas agruras. No final, enquanto dormia, Deus fez uma grande transformação na vida de Hermie. A pequena lagarta transformou-se numa bela e voante borboleta. Deus ergueu Hermie do chão, deu-lhe asas para voar e alçar os mais belos jardins.

A unção de Davi

O versículo 11 de 1 Samuel 16 é o clímax dos versículos antecedentes: Davi é ungido “no meio dos seus irmãos”. Esta perícope também marca uma nova fase na vida de Davi: “desde aquele dia em diante, o Espírito do Senhor se apoderou de Davi”.

Esta santa e magnífica unção é realizada após uma cerimônia ritual para escolher o ungido. À uma, os irmãos de Davi, a partir do primogênito, foram rejeitados. Eles eram belos, fortes, guerreiros, mas por alguma razão não agradavam a Deus. Naquele instante, Samuel manda buscar o garoto Davi; apenas treze anos, com um cajado e uma harpa nas mãos e os altos louvores no coração. Davi trazia o cheiro das ovelhas e a pele crestada pelo sol palestinense. Foi ali, na presença de todos que o garoto comum tornou-se o ungido, mas a obra do Senhor ainda não estava completa em Davi. A unção de Davi outorga-lhe a presença do RUACH YHWH. O menino transforma-se no ungido do Senhor e futuro rei teocrático de todo o Israel. É assim quando Deus nos tira de nosso lugar comum!

O versículo 12 apresenta um movimento oposto na vida do rei Saul: “E o Espírito do Senhor se retirou de Saul”, o que corresponde à loucura, à imprudência e ao devaneio (1 Sm 18.10-12). De acordo com o hagiógrafo, o sucesso de Davi doravante é conseqüente à presença do Espírito Santo nele (Is 11.2), enquanto a loucura de Saul resulta da falta da presença do Espírito de Deus.

Recordemos que em Gênesis 41.8, a o sucesso de José equivale à presença do Espírito de Deus; o mesmo também se diz do Messias e seu reinado e ministério gloriosos (Is 11.2 ver Sl 45; 110; Is 9.1-7; 61.1-11). A força de Sansão também é atribuída à presença do Espírito de Deus (Jz 14.19; 15.14), assim como a fraqueza do juiz resulta da ausência do Espírito de Deus (Jz 16.20).

Ser ungido, portanto, significa ser o escolhido de Deus. Todo vocacionado é ungido por Deus para realizar os propósitos e desígnios divinos no mundo.

11 comentários:

Tiago Rosas disse...

brilhante comentário, Pr. Esdras!

Louvado seja Deus pela sua vida! Encontrei hoje este blog e sei que para mim tanto quanto para todos que por aqui passam, este blog será uma grande ferramenta de pesquisa cristã.

Sou professor de Escola Bíblica Dominical, e com seus estudos e análises dos temas em apreço, poderei enriquecer ainda mais as minhas aulas. Deus continue te abençoando, e multiplicando essa sabedoria!

fraternal abraço...

Francisco A. Barbosa disse...

Estimado Pr, a Paz do Senhor,
Muito conveniente sua reflexão e apropriada à introdução da revista, vou enriquecer minha aula com as informações propostas. Só me resta uma dúvida: por que Davi era segundo o coração de Deus?
Paz

Alex Malta Raposo disse...

Querido irmão,

Por motivos funcionais, o blog “Vivendo o Verdadeiro Evangelho” passou a se chamar “Evangelho da Graça”. Da mesma forma, o endereço www.vivendooevangelho.blogspot.com agora ficou www.alexmaltta.blogspot.com

A primeira mudança se deve ao título um tanto extenso, difícil de ser inserido nos blogs amigos na forma de blogroll.

A segunda ocorreu em virtude da dificuldade que muitos amigos, irmãos e conhecidos do Sul da Bahia demonstraram para encontrar o endereço correto. Utilizando o meu nome fica muito mais fácil.

De qualquer forma, nada muda em termos de proposta. Viver o verdadeiro Evangelho é viver o Evangelho da Graça. Um Evangelho destituído de invencionices, legalismos e teologias alienígenas. Um Evangelho construído pelo compromisso com a Palavra de Deus, mas, também, pelo Seu favor imerecido.

Aviso também que o blog já dispõe de um banner. Se o irmão quiser ajudar a divulgação da minha página, ficaria muito, muito grato.

Alguns blogs, inclusive, já estão contemplados (ou como banners ou como blogolls ou ainda como links). Se o blog do irmão não estiver na relação é só enviar um email para mim. alexmaltta@gmail.com.

Que o Senhor continue abençoando a todos nós.

ilma disse...

Deus abençõe a vida do sr,tenho achado grande edificação para minha vida nesse blog.
Paz!
Ilma

André Quirino disse...

Grande amigo Esdras Bentho, a paz do Senhor Jesus!

Quão belo comentário! Em breve, voltarei a este espaço de comentários para dissertar mais sobre o assunto, mas quero dizer que não "sumi" (risos). Andei um pouco distanciado da blogosfera porque estava empenhado na escrita de meu livro, que agora está quase concluído e sendo analisado na Casa Publicadora. Mas continuo frequentando e lendo seu blog. Aos poucos, estou voltando à ativa e aguardo mais uma visita do senhor ao meu blog.

Que Deus continue lhe abençoando.

Um grande abraço!

JOARES disse...

Amado Pr. Esdras sinto-me honrado por conhece-lo pessoalmente na minha cidade de Joinville- SC e de ver tamanha profundidade na Sagrada Escritura,que o Todo-Poderoso continue o abençoando com sua família. Amém. JOARES AMORIM

Escola Bíblica Dominical - Seminário Teologico Permanente disse...

Olá, pastor Esdras, graça e paz. Talvez o senhor não lembre de mim, mas fiz o CAPED na ocasião em que este foi realizado em Campina Grande – PB, ano passado. E lembro-me bem de suas aulas: dinâmicas e de conteúdo bem exposto, além do domínio que o senhor demonstrou ter sobre o mesmo (Bibliologia).
Fico muito feliz e honrada em tê-lo como membro de meu blog, e o parabenizo pelo seu, pois está bem a sua altura e faz o seu estilo de fato.
Postarei as fotos do CAPED e do congresso nacional em Salvador no meu blog posteriormente.

Obs.: já estamos nos preparando para o próximo congresso nacional da EBD, esperamos vê-lo por lá; é só o que comentamos nos encontro de professores por aqui: de ir ao congresso e em suas aulas(risos)

Um abraço!

Trabalhadores do Reino disse...

Caro Pastor Esdras,

Fiz o curso Básico pela EBPS onde nos foi indicado o seu livro, Hermenêutica Fácil e Descomplicada. O Estimamos muito e sempre que alguém menos familiarizado pede uma referência o indicamos.

Na verdade, estou escrevendo aqui porque preciso de uma ajuda sua.
Na igreja em que congrego atualmente, os pastores tiveram uma iniciativa louvável montando um curso de teologia para os membros e obreiros.

Acontece que estamos observando que o professor que ministra as aulas tem a prática de alegorizar tudo na Bíblia. Não que o desrespeitemos, mas temos observado que suas colocações tem sido tentendenciosas e tem deixado confusos os irmãos. Recentemente o pastor esteve em nossa casa, e como sabe que somos estudiosos e que a nível de pessoas símples temos uma considerável biblioteca, ele pediu que pesquisásemos algo para ele. Quando nos contou, fiquei um tanto quanto alarmada, pois ele disse que o professor afirmou na aula que não existe fogo no inferno, que o fogo é figurado. Para isso ele justificou que a alma não é física e que deste modo não pode ser queimada pelo fogo.

Faz alguns dias que tenho examinado e reunido tudo o que temos a respeito, além da própria Bíblia, porque não concordamos com a colocação dele. Reuni todas as passagens na Bíblia em que ocorre fogo tanto o natural quanto o fogo da parte de Deus que consumia os holocaustos, que matou Nadabe e Abiú, que respondeu Elias, que desceu sobre Sodoma e Gomorra, entre outras. Constatamos que obviamente o Fogo do Inferno não é literal no sentido de ser o fogo natural, produto da combustão, mas sim o fogo da parte do próprio Deus.

Entretanto, gostaríamos da opinião do Sr como forma de respaldar nossa resposta à pergunta de nosso pastor e isso, claro se não for incômodo. Se puder nos mandar por email a resposta, ficaria extremamente honrada e agradecida por sua atenção.

nosso email: anderson.elenilda@gmail.com

ou elenildagramiscelli@yahoo.com.br

Grande abraço;

Que o Senhor o abençoe grandemente,

Aguardamos ansiosos sua resposta.

ELENILDA GRAMISCELLI SALES

Ademir ferreira disse...

a paz do Senhor
Deus abençoe esse post enriqueceu muito minha aula.

abraços!

Lucivaldo de Paula disse...

Pastor Esdras,louvo a Deus pela sua vida;tenho muito orgulho de ter o privilegio de algumas vezes ter conversado com o senhor pelo telefone;estou orando a Deus para que minha querida cidade de Porto velho tenha um dia o privilégio de receber do senhor aquelas maravilhosas combinação:teologia e pimenta, educação e farinha, peixe e hermenêutica,Deus abençõe vc e sua Familia.

AFA Neto disse...

Meu caro pr. Esdras,
Retribuindo a sua visita ao meu blog. Li este texto e gostei muito. Seu estilo acadêmico é muito providencial para esses dias de superficialidades.
Parabéns.
Deus te abençõe
AFA Neto
www.afaneto.blogspot.com

TEOLOGIA & GRAÇA: TEOLOGANDO COM VOCÊ!



Related Posts with Thumbnails