DÁ INSTRUÇÃO AO SÁBIO, E ELE SE FARÁ MAIS SÁBIO AINDA; ENSINA AO JUSTO, E ELE CRESCERÁ EM PRUDÊNCIA. NÃO REPREENDAS O ESCARNECEDOR, PARA QUE TE NÃO ABORREÇA; REPREENDE O SÁBIO, E ELE TE AMARÁ. (Pv 9.8,9)

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Jezabel, a Rainha Pagã


Jezabel é uma das personagens femininas mais intrigantes do Antigo Testamento. Inteligente, dominadora e hedonista, ela viveu contrário a tudo o que o seu nome significa. No hebraico, 'Iyzebel quer dizer “casta”, todavia essa rainha é conhecida na história bíblica como mulher impudica e idólatra.

Jezabel era uma princesa sidônia, filha do poderoso Etbaal (no hb. “com Baal”) – um poderoso rei da Fenícia – adoradora de Baal-Melcarte, um falso deus fenício, e rainha de Israel durante o reinado de Acabe, cerca de 870-853 a.C. (1Rs 16.29-31; 18.19). Conjecturo que Jezabel era alta sacerdotisa da deusa Astarte, divindade, que, conforme crido na época, era esposa de Baal. No culto a esses deuses eram praticados todos os tipos de orgias, como explico em minha obra A Família no Antigo Testamento.

Embora a Lei Mosaica proibisse o casamento com os povos pagãos, o incrédulo Acabe casou-se com a mais poderosa e vil mulher da Fenícia. Este casamento não fora realizado pelos sacerdotes diante do Senhor, mas pelos sacerdotes de Baal, diante desta mesma divindade (1Rs 16.31). A confiança de Acabe não estava em Iavé, mas nos acordos diplomáticos feitos por Onri, seu pai.

Esta união, no entanto, trouxe a ruína moral, espiritual e social do reino do norte, Israel. A capital Samaria tornara-se a partir de então o centro religioso do culto a Baal e a Astarte, contendo no palácio 450 profetas de Baal e 400 sacerdotisas de Astarote ou Asera (1Rs 18.4). Isto significa que não apenas foram mortos os profetas, mas também muitos sacerdotes fiéis a Iavé.

Neste período lúgubre, o palácio transformou-se em antro de luxúria, malandragem, excessos e vícios sexuais. Tudo com a participação do rei Acabe, da rainha Jezabel e dos profetas e sacerdotisas de Baal e Astarte. O paganismo de Jezabel unia prostituição e homossexualismo com religião e religiosidade. Esta é uma das principais razões pelas quais Jezabel é conhecida como prostituta. E na verdade o era, entretanto, uma hieródula, ou prostituta sagrada.

É impossível desassociar o culto pagão ao casal herogâmico Baal e Astarte da prostituição sagrada, da falolatria, dos sacrifícios de crianças, das ervas alucinógenas, feitiçaria entre outros desvios (2Rs 9.22). E, segundo a tradição fenícia e canaanita, o rei e a rainha eram elementos indispensáveis nessas festividades, pois a presença deles assegurava o favor das divindades cultuadas. A rainha Jezabel incitava o rei Acabe para fazer o que era “mau aos olhos do Senhor”, diz o redator das crônicas dos reis (1 Rs 21.25).

Uma das primeiras iniciativas da rainha Jezabel foi exterminar os profetas do Senhor e colocar no palácio os sacerdotes, sacerdotisas e profetas de Baal e Astarte. Depois, preocupou-se em matar os poucos servos de Deus que lhe resistiam o poder inconteste. Assim, começa a perseguir Elias, o único profeta ainda a lhe resistir o poder publicamente (1Rs 18 e 19) e, mais tarde, o indefeso Nabote (1Rs 21.14).

A vida impudica de Jezabel recebeu a justa retribuição divina pelo modo como morreu. Leia 2 Reis 9.30-37. O nome desta mulher tornou-se sinônimo de idolatria, falsos profetas, prostituição, falsos ensinos, tolerância ao pecado, perseguição aos servos de Deus, heresias entre outros. É com esse sentido que o nome Jezabel aparece em Apocalipse 2.20.

No entanto, a associação de Jezabel com ornamentos femininos e com o chamado “kit Jezabel”, é uma brincadeira de mau gosto. Provavelmente resulta de má compreensão do texto de 2 Rs 9.30 que relata a visita de Jeú e o fato de a rainha se pintar e se adornar para receber o profeta.

Todavia no Antigo Testamento era muito comum as mulheres se adornarem com artefatos de ouro, prata e cobre, além é claro, de usarem maquiagem. A imagem caricata que se faz dessa personagem é jocosa e não representa a realidade, mas apenas tenta exprimi-la.

A Bíblia está repleta de exemplos de mulheres santas que usavam esses artefatos e que se adornavam, conforme o costume da época. Todavia, o apodo “jezabel” é usado mais freqüentemente para descrever os costumes imorais e a impiedade que crassa na religião e, infelizmente, adentrou numa comunidade cristã nos idos do primeiro século depois de Cristo.


Modernamente, os nomes “Jezabel” e “Balaão” são associados aos pecados morais, à apostasia, à ganância financeira, à simonia, e amor ao dinheiro. Infelizmente, não poucos cristãos e líderes que estão presos pelos tentáculos que acorrentaram Jezabel e Balaão. Fujamos em tempo oportuno!



Sinete (espécie de carimbo pessoal) de Jezabel encontrado pela pesquisadora holandesa Marjo Korpel, especialista da Universidade de Utrecht.

Leia reportagem completa no link plugadoscomdeus,blogspot.com

14 comentários:

Reinaldo Carlos da Silva disse...

esta postagem dsobre jesabel é riquissimamente abençoada,

esta parte sobre adornos femininos é esclarecedora, afinal de contas deveriam muitos lideres ler esta postagem para aprender.

parabens!

Luís disse...

Olá Esdras!
Parabéns pelo blog, as matérias estão excelentes, já estou seguindo.
Quero aproveitar para divulgar o meu blog http://wwwadoradoresemverdade.blogspot.com/ quando puder faça uma visita.
Um abraço fik na paz.

Lucivaldo de Paula disse...

Apaz do Senhor querido Pr.Esdras. Aos alunos da escola dominical eu digo:Querem obter conhecimento visite o blog teologia e graça, e boa leitura. Deus te abençoe sempre Pastor querido!

Rafael de Queiroz Torres disse...

Belíssima exposição acerca da Rainha Jezabel!!! aproveitando quero divulgar o meu blog:
teolrafael.blogspot.com

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro pastor Esdras,

Fazia tempo que eu não passava por aqui, e aproveitei para conferir não apenas este, como outros textos de sua autoria. Parabéns pelos elucidativos artigos exegéticos.

Em Cristo,

CSZ

Anônimo disse...

Agora sim, até que enfim alguem postou a verdade sobre esse assunto. Parabens, está ótimo, esclarecedor.

Esdras Costa Bentho disse...

Kharis kai eirene
Prezados irmãos obrigado pela visita, palavras motivacionais e observações a respeito do Deus!
Ao Pastor Ciro pela sua presença, enfim, a todos os amigos!

Esdras Bentho

WELINGTON disse...

Pr.Esdras Bentho, visitar o teu blog é gratificante e edificante para mim. Parabéns pelo o artigo a respeito de Jezabel, foi bastante esclarecedor.

Deus continue a te abençoar. Um forte abraço.

Welington Bartels

Bruno de Jesus disse...

A PAZ DO SENHOR PASTOR!
SOU UM PROFUNDO ADMIRADOR DE SEU TRABALHO E EMPENHO EM ELUCIDAR TEXTOS BIBLICOS TRAJANDO-0S EM ROUPAGEM INTERPRETATIVA ORTODOXIA POREM ATUAL, MAS, TENHO UMA SÓ SUGESTÃO E A FAÇO COM MUITO RESPEITO, USE PALAVRAS MAIS ACESSIVEIS AOS LEITORES, TENHO CERTEZA QUE FAZENDO ASSIM TERÁ MUITO MAIS EXITO EM SEU TRABALHO.
POR BRUNO DE JESUS DO MARANHÃO

Paloma disse...

hum ótimo,mas gostaria de mais conteudo,mais sobre a princesa,td sobre a infancia,a adolecensia e o reinado dela.pois as pessoa que não sebem nada sobre a princesa quer le mais.

mas parabéns está ótimo!♥

Anônimo disse...

olha eu acho que se as mulheres fossem para andar pintadas eles ja nasceriam mas cada um anda do jeito que esta certo pois a beleza não esta em se pintar mas do jeito do seu comportamento e
na pureza de servir a Deus como ela veio ao mundo

Anônimo disse...

amo tudo que fale sobre as rainhas do passado principalmente jezabel ameii!!! vitória

AMOR disse...

estou maravilhada com tais esclarecimento,que o senhor continue te usando meu pastor... parabéns!

Saulo Lopes disse...

Exelente pastor, muito proveitoso

Saulo

TEOLOGIA & GRAÇA: TEOLOGANDO COM VOCÊ!



Related Posts with Thumbnails